Lugar de pai é em casa

Sabe aquela história de que pai tem que trabalhar muito pra conseguir sustentar a casa? Se você acredita nisso, você foi enganado a vida toda e não se sinta culpado por isso, nós crescemos ouvindo que isso é ser pai, é ser o chefe da família. Mas ainda bem que as coisas mudam, nós temos chance de fazer diferente e hoje tenho certeza de que: Lugar de pai é em casa.

Há muito tempo através de nossos avós, pais, tios, nós nos acostumamos a pensar que o homem precisa decidir o que será quando crescer, se médico, engenheiro ou advogado e as meninas se iriam conseguir casar e ter uma família com filhos. No momento em que nos deparamos com a vida adulta onde as preocupações passam a ser mais financeiras do que sentimentais, principalmente para nós homens que fomos treinados para ganhar dinheiro e ter sucesso na profissão, os valores de vida

 e família ficam distorcidos durante um tempo.

Quando descobrimos que seremos pais, aí que a coisa fica um pouco pior, porque vem aqueles questionamentos: “Será que meu filho terá o conforto que ele precisa?”, “Será que conseguirei colocar meu filho naquela creche?”, “Será que conseguirei comprar aqueles brinquedos para o meu filho?”. E aí de repente o pai decide fazer hora extra no trabalho com a mulher grávida para dar conta das despesas que vem pela frente.

O primeiro erro durante a gestação é o pai mergulhar nas horas extras noite à dentro no trabalho, quando ali em caso inicia-se uma transformação, a geração de um novo ser que irá fazer parte do mundo em breve. E mesmo com a mulher empenhada na gravidez em aprender sobre cada mudança que está ocorrendo, o homem não tem tempo para abrir aquele link enviado pela mulher falando sobre os enjoos e sobre a semana exata que dará pra saber o sexo do bebê. Nada é mais importante nesse momento para o pai do que pensar em garantir o sustento da casa e assim lá se vão meses de trabalho duro.

Após o nascimento do filho e passados os sufocos da rotina desgastante dos primeiros meses do bebê onde pai e mãe descobrem que a vida sem o filho já não é possível, essa nova vida dependerá de você pelos próximos anos de dedicação quase que exclusiva. Aquela necessidade de trabalhar mais e ganhar mais dinheiro começa a ser colocada em jogo e os questionamentos dos verdadeiros valores da vida começam a aparecer quando você se dá conta de que seu filho não está dando a mínima para o salário que você ganha, para o carro do ano que você comprou e pro conforto que você tenta proporcionar para a família todos os dias. O momento chave desse processo será quando você pai perguntar para seu filho o que ele gostaria de ganhar de presente e ele responderá: -Pai, eu queria que você brincasse comigo todo dia.

Depois da descoberta de que pro seu filho o seu dinheiro não importava, que o seu carro não era legal porque o legal era andar a pé na rua, que seu filho te ama porque você faz cócegas todos os dias e não porque você bateu a meta no trabalho, você para e descobre que tudo que o pai precisava era estar presente e não ganhar dinheiro para o futuro, pois o bem mais valioso que você poderia produzir em toda a sua vida estava ali, era seu filho e nem o melhor trabalho do mundo te proporcionaria mais satisfação e realização que o seu filho. O que seu filho sempre precisará você sempre poderá dar, mesmo nas maiores crises e nas piores fases da vida, ele só quer você e não o que você pode conquistar.

Essa história ocorre em milhares de famílias por aí e que bom que podemos fazer diferente dos nossos avós e pais, nós podemos escolher sermos pais e mergulharmos nesse mundo que não mede poder aquisitivo nem cargo na empresa, só precisamos decidir sermos pais de verdade, porque ser pai é ser responsável por outro ser, é ser mais do que você próprio, é ser algo agora que perpetuará por décadas mesmo quando você não mais estiver por aqui para observar. Descobri o verdadeiro sentido da vida quando decidi ser pai e quando entendi que: Lugar de pai é em casa.

Será que ser mãe é tão mais difícil do que ser pai

Historicamente nós tentamos entender as relações familiares e em cada época essas relações vão se renovando, mas umas delas é tão intensa que parece transcender o nosso conhecimento, que é o amor de uma mãe pelos seus filhos.

Mas será que ser mãe é tão mais difícil do que ser pai?

Maternidade X Sociedade

Para entendermos melhor essa questão, nem precisamos voltar muito no tempo, pois a mãe na sociedade também tem o papel de mulher e sabemos que as mulheres ainda não conseguiram ocupar seu espaço de forma igual aos homens. Mas o que isso tem a ver com maternidade? A relação é de que se os homens tem mais espaço terem maiores salários, melhores cargos em empresas, não são cobrados sobre doenças dos filhos, não se sentem responsáveis por se preocuparem se as roupas das crianças ainda servem, faz com que os pais tenham um papel mais externo à família.

A mãe por sua vez, é cobrada desde o momento de uma entrevista de emprego quando perguntam quantos filhos ela tem para ser questionada como irá conciliar o trabalho com os filhos.

Ser mãe é deixar de viver como um único ser e passar a viver em conexão eterna e dependente com outro ser.

Ser mãe é ter que ficar pulando de emprego em emprego porque os filhos por algo que quase mágico, começam a adoecer semanas seguidas e é só melhorar que está pronto para uma nova fase difícil.

Já ser pai é não ser questionado por não ir ao médico com o filho porque tem um compromisso no trabalho.

Porque é sempre tão difícil mudar esse cenário?

Precisamos sair muito pra fora da caixa para tentarmos entender um pouco o mundo das mães, isso mesmo, eu disse tentarmos entender, porque saber exatamente o que acontece nunca saberemos como pais.

Pelo amor de Deus mãe que está aí agora querendo julgar com todas as forças os pais dos seus filhos, você pode ter certeza que a maior parcela de culpa não é somente dele, existe um fator cultural enraizado muito forte que mesmo que tenhamos tentado dividir toda a carga da mãe, não nos deixam exercer totalmente nosso papel de indivíduos que devem dividir a vida profissional com a vida dos filhos.

É um trabalho de formiguinha mesmo, e nós pais temos que buscar absorver mais da carga emocional que a mãe carrega, desde se preocupar com cada detalhe da casa, até se sentir culpada pelo fato de o filho ter que ficar no integral da escola para que ela possa trabalhar.

Não acredito em fórmula mágica, mas a certeza que tenho é que nós pais não temos ideia do que é ser mãe e estamos longe de sabermos de fato como funciona essa complexa relação com os filhos.

Mas então porque será que ser mãe é tão mais difícil que ser pai? Acredito que seja porque as nossas réguas de medida são muito diferentes. Basta olhar para a mulher para seu lado e ver quanta cobrança ela recebe, e quando algo não sai como planejado, adivinha quem leva a culpa? Para nós, homens, ser um bom pai está atrelado a muito pouco, muito menos do que o mínimo, na maioria das vezes.

Nunca saberemos o peso que elas carregam, é muito cômodo para nós homens sermos chamados de paizões por fazermos nem metade de nossas obrigações, mas se alguém pode mudar esse cenário, nós fazemos parte dessa luta.

Como? Em primeiro lugar olhando para si mesmo, com coragem e sem máscaras, conversando com sua parceira, assumindo cada vez mais responsabilidades, não deixando nossas parceiras levarem toda essa carga, trazendo assuntos paternos para lugares antes não visitados e mais, não exaltando pai que não faz mais que a obrigação, cobrando dos nossos amigos pais, os apoiando e pegando para nós a responsabilidade de mostrarmos também aos outros que mais que genitores, somos responsáveis por vidas que se formam, e agirmos como tais.

O PODER DO HÁBITO NA VIDA DAS CRIANÇAS

Nem sempre é fácil fazer com que as crianças desempenhem tarefas rotineiras como tomar banho na hora certa, escovar os dentes sempre após as refeições, etc.

Utilizando como referência o livro O Poder do Hábito do Charles Duhigg, tivemos como entender como nosso cérebro funciona quando o assunto é bons hábitos.

Mudar nossos hábitos sempre tem um grau de dificuldade, porque na maioria das vezes depende de dedicação e muita disciplina e com as crianças não é diferentes, elas adoram rotina, mas se nós pais não os conduzirem para treinar bons hábitos, elas irão adquirir comportamentos condicionados o comodismo.

De acordo com o livro, nós temos hábitos cotidianos que praticamente nem percebemos que estamos fazendo, pois são padrões de comportamentos repetidos por anos e anos como: dirigir, escrever, ,tomar banho, escovar os dentes, se alimentar, etc.

Por isso, através do condicionamento destes comportamentos, os hábitos são assimilados pelo cérebro criando um processo de aprendizado e internalizando o conceito.

Essas ações inconscientes são repetidas automaticamente com o tempo, porque o cérebro está sempre procurando maneiras de poupar esforços.

Sendo assim, compreender porque o hábito é realizado e saber qual o seu objetivo para você, é um grande passo para que possa entender como mudar esse hábito por outra ação.

Criei uma forma simples de instituir bons hábitos na vidas das crianças e você pode tentar também. Funciona!

Veja no vídeo a seguir como foi a experiência: