Será que ser mãe é tão mais difícil do que ser pai

Historicamente nós tentamos entender as relações familiares e em cada época essas relações vão se renovando, mas umas delas é tão intensa que parece transcender o nosso conhecimento, que é o amor de uma mãe pelos seus filhos.

Mas será que ser mãe é tão mais difícil do que ser pai?

Maternidade X Sociedade

Para entendermos melhor essa questão, nem precisamos voltar muito no tempo, pois a mãe na sociedade também tem o papel de mulher e sabemos que as mulheres ainda não conseguiram ocupar seu espaço de forma igual aos homens. Mas o que isso tem a ver com maternidade? A relação é de que se os homens tem mais espaço terem maiores salários, melhores cargos em empresas, não são cobrados sobre doenças dos filhos, não se sentem responsáveis por se preocuparem se as roupas das crianças ainda servem, faz com que os pais tenham um papel mais externo à família.

A mãe por sua vez, é cobrada desde o momento de uma entrevista de emprego quando perguntam quantos filhos ela tem para ser questionada como irá conciliar o trabalho com os filhos.

Ser mãe é deixar de viver como um único ser e passar a viver em conexão eterna e dependente com outro ser.

Ser mãe é ter que ficar pulando de emprego em emprego porque os filhos por algo que quase mágico, começam a adoecer semanas seguidas e é só melhorar que está pronto para uma nova fase difícil.

Já ser pai é não ser questionado por não ir ao médico com o filho porque tem um compromisso no trabalho.

Porque é sempre tão difícil mudar esse cenário?

Precisamos sair muito pra fora da caixa para tentarmos entender um pouco o mundo das mães, isso mesmo, eu disse tentarmos entender, porque saber exatamente o que acontece nunca saberemos como pais.

Pelo amor de Deus mãe que está aí agora querendo julgar com todas as forças os pais dos seus filhos, você pode ter certeza que a maior parcela de culpa não é somente dele, existe um fator cultural enraizado muito forte que mesmo que tenhamos tentado dividir toda a carga da mãe, não nos deixam exercer totalmente nosso papel de indivíduos que devem dividir a vida profissional com a vida dos filhos.

É um trabalho de formiguinha mesmo, e nós pais temos que buscar absorver mais da carga emocional que a mãe carrega, desde se preocupar com cada detalhe da casa, até se sentir culpada pelo fato de o filho ter que ficar no integral da escola para que ela possa trabalhar.

Não acredito em fórmula mágica, mas a certeza que tenho é que nós pais não temos ideia do que é ser mãe e estamos longe de sabermos de fato como funciona essa complexa relação com os filhos.

Mas então porque será que ser mãe é tão mais difícil que ser pai? Acredito que seja porque as nossas réguas de medida são muito diferentes. Basta olhar para a mulher para seu lado e ver quanta cobrança ela recebe, e quando algo não sai como planejado, adivinha quem leva a culpa? Para nós, homens, ser um bom pai está atrelado a muito pouco, muito menos do que o mínimo, na maioria das vezes.

Nunca saberemos o peso que elas carregam, é muito cômodo para nós homens sermos chamados de paizões por fazermos nem metade de nossas obrigações, mas se alguém pode mudar esse cenário, nós fazemos parte dessa luta.

Como? Em primeiro lugar olhando para si mesmo, com coragem e sem máscaras, conversando com sua parceira, assumindo cada vez mais responsabilidades, não deixando nossas parceiras levarem toda essa carga, trazendo assuntos paternos para lugares antes não visitados e mais, não exaltando pai que não faz mais que a obrigação, cobrando dos nossos amigos pais, os apoiando e pegando para nós a responsabilidade de mostrarmos também aos outros que mais que genitores, somos responsáveis por vidas que se formam, e agirmos como tais.

6 Coisas que garantem a segurança dos seus filhos

Quem ainda não tem filhos sempre acha que cuidar de crianças sempre será uma tarefa super simples e fácil, mas é aí que as pessoas se enganam. Segundo o Ministério da saúde, acidentes são hoje a principal causa de morte de crianças de um a 14 anos no Brasil. Todos os anos, cerca de 4,5 mil crianças dessa faixa etária morrem e outras 122 mil são hospitalizadas devido a diversos tipos de causas no país.

De acordo com dados do Ministério da Saúde disponibilizados na plataforma DATASUS, vejam a distribuição das hospitalizações em decorrência de acidentes por causa e por faixa etária:

Tendo ciência dos dados que revelam um destaque quando o assunto é quedas e queimaduras, separamos X dicas que podem salvar a vida do seu filho principalmente nos primeiros anos de vida:

 

1 – Cozinha não é lugar de criança nunca:

Nos primeiros meses de vida nós pais estamos normalmente esgotados e muitas vezes há semanas seguidas sem ter uma noite de sono completa. Por isso, costumamos na maioria das vezes desempenhar determinadas atividades com certa distração e muitas vezes perdemos até os reflexos que permitirão discernir o que é perigoso ou não. Com todo esse cenário, um dos principais erros é esquentar água ou comida no fogão com a criança no colo, isso aumentará as chances de um acidente grave com queimaduras. Se não possui ajuda com a criança nesse momento, uma opção é utilizar um bebê conforto para deixar a criança em local afastado do fogão, porém em segurança em local que possa vê-lo.

 

2 – Não coloque sofás e camas perto de janelas:

Uma das principais características das crianças que começam a andar e correr, é de querer se aventurar em novos ares escalando as coisas, sendo elas mesa, armários, estantes e qualquer coisa que sejam desafiadoras para elas, mas um do principais acidentes desse tipo acontece quando existem camas e sofás perto de janelas, pois as crianças adoram saber o que tem ali no alto onde só os adultos podem ver. Garanta que todas as janelas possuem redes de proteção e tire todos os móveis que possam dar a oportunidade de a criança querer se aventurar nas janelas da casa.

 

3 – Melhor o bebê conforto no chão do que em cima da mesa:

Quem carrega o bebê conforto sabe que não é uma tarefa fácil, dói os braços e não é nem um pouco anatômico com o corpo do seu carregador. Isso faz com que em momentos oportunos, tenhamos que deixar o bebê em cima de uma mesa no bebê conforto e já pensou se por um segundo de distração alguém esbarra na mesa ou até mesmo o próprio bebê se balance fazendo com que ele vá para a borda da mesa. Pois é, para evitar isso, o mais indicado é que ao descansar você coloque o bebê conforto no chão próximo a você.

 

4 – Não esqueça produtos de limpeza em locais baixos:

Um dos grandes equívocos é achar que os produtos de limpeza são um perigo só para as crianças. Imagine um pai ou uma mãe cansados da maratona diária dos primeiros meses de vida do filho e ao tentar preparar um suco de uva por exemplo, confunda o suco com o produto de limpeza e faça com que a criança se intoxique.

Temos também o clássico problema que é o acesso aos produtos de limpeza por parte das crianças. A maioria dos produtos de limpeza possuem embalagem e cores bem chamativas que geram uma grande curiosidade nas crianças a tentarem experimentarem o que para elas é apenas uma bebida que está ali dando bobeira.

Garanta que os produtos de limpeza possuem seu armário próprio e ficam em local alto para evitar que sejam confundidos pelos adultos ou que sejam acessados pelas crianças.

 

5 – Evite banheiras e trocadores altos:

Sendo o cenário mais crítico para os acidentes com crianças, as quedas causam uma grande preocupação, uma vez que nós pais tentamos manter a integridade de nossas colunas e temos a tendência de querermos fazer as coisas em altura que não massacre nosso corpo. Não descuide e esqueça o sonho de utilizar trocadores em cima de cômodas como vemos em novelas. Se estiver sozinho ou sozinha com o bebê, a chance de você ter que sair de perto do bebê para buscar alguma coisa é muito grande e acredite, o bebê que até então não virava, de repente passa a virar (Os bebês não avisam quando mostrarão suas próximas habilidades), o que pode causa um acidente fatal. A mesma coisa acontece com as banheiras, caso o bebê tente se apoiar nas bordas da banheira, um segundo de distração e o suficiente para que ele consiga fazer um movimento de sair da banheira passando a perna por cima das laterais.

A dica é, se possível utilize banheiras em cima da cama de casal, o que permite que em caso de uma fuga da banheira, ainda seja possível resgatá-lo na cama.

 

6 – Caixa de ferramentas devem ficar fechadas a sete chaves e bem escondida:

Quem tem filhos sabe que ferramentas são umas das coisas mais admiradas pelas crianças, sejam elas chaves de fenda ou alicates. Imagine que você guarda a caixa de ferramentas numa prateleira e a criança decide pegar as ferramentas. Naturalmente a caixa viria a baixo caindo em cima da criança. Mesmo que não deixe a caixa acessível, nunca deixe as crianças brincarem com as ferramentas, pois se tornarão armas nas mãos delas, pois o movimento natural nos primeiros anos de vida é que levem tudo para a boca, nariz e rosto e uma chave de fenda pode causar um acidente de grandes proporções.

Essas dicas simples garantem que diminua drasticamente o risco de acidentes em casa e fazem com que seu nível de alerta diminua e você possa ter um pouco de descanso físico e mental por menor que seja.