O que eu vi da vida quando virei pai

É um pouco difícil descrever em palavras a emoção que é virar pai, mesmo que não seja pela primeira vez. O fato é que sendo a primeira vez ou não, aquele momento sempre será único e mágico.

 

O que posso garantir é que diferentemente da mãe que percebe que será mãe nos primeiros momentos da gravidez, para o pai parece que esse momento só acontece de verdade quando aquele ser surge como aquele presente que você sempre sonhou em ganhar e alguém de repente decide te presentear fazendo aquela surpresa.

 

Parece que num estalar de dedos acendeu algo dentro de mim e a partir dali aquela vida vivida seria encerrada como num caderno de escola que só serve para aquele ano e no próximo ano tudo recomeçava com um outro caderno novinho e que dava até orgulho de abrir e escrever de forma d

evagar e caprichada.

 

Mas e o que mudou desde esse momento mágico que foi ter visto aquela coisa pequena pela primeira vez sem ser naqueles monitores da ultrassonografia com imagem preto e branco e tudo borrado? Também não é fácil descrever o que mudou, mas tenho uma certeza: Nunca mais as coisas foram as mesmas e talvez esse seja o grande sentido da vida, servir à outras pessoas e ajudar na caminhada dos novos seres que habitam a terra chamados de filhos.

 

Aquela minha vida que parecia ter total controle, passou a ser um grande desafio onde dormir e acordar em horários específicos não era mais uma escolha minha. Comer com calma e apreciar o que eu gostava já não era mais algo possível, comer era algo quase impossível, pois eu comer ou não comer no horário certo ou comer de pé ou sentado não deveria mais ser um problema já que o bebê não podia esperar e parecia que ele fazia os próprios horários, sendo que a cada dia os horários eram diferentes e aleatórios.

 

Mas e daí se eu não tinha mais o tempo de antes, aquele prazer de conviver com o novo membro da família apagava todos os problemas.

 

Mudar o foco era preciso, uma vez que até então as maiores preocupações eram bater as metas no trabalho e entregar os trabalhos da faculdade e conseguir fazer um TCC de qualidade. Todas as preocupações anteriores continuariam, mas aparecia ali uma questão nova que se tornaria prioridade.

 

Mas e daí se eu não tinha mais o mesmo foco na carreira e no trabalho, aquele novo foco me deixava o homem mais feliz do mundo.

 

Com o tempo muita coisa vai mudando e uma das primeiras mudanças é saber que ser pai não tem nada a ver com levar dinheiro e leite para casa. Não há nenhum valor monetário que pague a presença de um pai. Se sua família estiver bem e isso dependerá de quão forte os laços afetivos estiverem, o dinheiro será apenas um complemento e não uma necessidade em primeiro plano.

Chegar em casa não tem mais relação com descansar, mas e daí se quando chego em casa as crian

ças se jogam em cima de mim a ponto de cairmos todos no chão e darmos boas gargalhadas e ali iniciar-se outras brincadeiras como cavalinho, pega-pega, cócegas e aqueles abraços apertados.

 

Se eu pudesse voltar no tempo teria feito tudo igual novamente, não mudaria nada, porque tudo tinha que ser como foi e parece que tudo aquilo estava escrito para ser do jeitinho que foi. Depois de um tempo você pensa: -Não sei como seria minha vida sem minha filha aqui, parece que ela sempre esteve conosco a vida toda. Fico imaginando o que é o sentimento das mães com os filhos que parece ser algo que não é desse planeta, se eu sentir 1% do que as mães sentem pelos seus filhos, já sou o homem mais feliz do mundo.

 

Se pudesse dar um conselho sobre o que vivi depois que fui pai: -Não espere ter aquela carreira profissional dos sonhos, nem fazer aquela faculdade que você acredita que vai te dar um futuro melhor, o trabalho e os estudos nunca te darão 1% do prazer e satisfação pessoal que é ser pai e só quem é pai vai entender o que estou falando, pois por melhor que seja o trabalho e os estudos que você tiver, sempre você chegará nos momentos de insatisfação ou desmotivação, mas com seus filhos você nunca pensará em desistir e eles te farão um profissional melhor e mais feliz porque você fará o melhor por eles e não mais por você.

Lugar de pai é em casa

Sabe aquela história de que pai tem que trabalhar muito pra conseguir sustentar a casa? Se você acredita nisso, você foi enganado a vida toda e não se sinta culpado por isso, nós crescemos ouvindo que isso é ser pai, é ser o chefe da família. Mas ainda bem que as coisas mudam, nós temos chance de fazer diferente e hoje tenho certeza de que: Lugar de pai é em casa.

Há muito tempo através de nossos avós, pais, tios, nós nos acostumamos a pensar que o homem precisa decidir o que será quando crescer, se médico, engenheiro ou advogado e as meninas se iriam conseguir casar e ter uma família com filhos. No momento em que nos deparamos com a vida adulta onde as preocupações passam a ser mais financeiras do que sentimentais, principalmente para nós homens que fomos treinados para ganhar dinheiro e ter sucesso na profissão, os valores de vida

 e família ficam distorcidos durante um tempo.

Quando descobrimos que seremos pais, aí que a coisa fica um pouco pior, porque vem aqueles questionamentos: “Será que meu filho terá o conforto que ele precisa?”, “Será que conseguirei colocar meu filho naquela creche?”, “Será que conseguirei comprar aqueles brinquedos para o meu filho?”. E aí de repente o pai decide fazer hora extra no trabalho com a mulher grávida para dar conta das despesas que vem pela frente.

O primeiro erro durante a gestação é o pai mergulhar nas horas extras noite à dentro no trabalho, quando ali em caso inicia-se uma transformação, a geração de um novo ser que irá fazer parte do mundo em breve. E mesmo com a mulher empenhada na gravidez em aprender sobre cada mudança que está ocorrendo, o homem não tem tempo para abrir aquele link enviado pela mulher falando sobre os enjoos e sobre a semana exata que dará pra saber o sexo do bebê. Nada é mais importante nesse momento para o pai do que pensar em garantir o sustento da casa e assim lá se vão meses de trabalho duro.

Após o nascimento do filho e passados os sufocos da rotina desgastante dos primeiros meses do bebê onde pai e mãe descobrem que a vida sem o filho já não é possível, essa nova vida dependerá de você pelos próximos anos de dedicação quase que exclusiva. Aquela necessidade de trabalhar mais e ganhar mais dinheiro começa a ser colocada em jogo e os questionamentos dos verdadeiros valores da vida começam a aparecer quando você se dá conta de que seu filho não está dando a mínima para o salário que você ganha, para o carro do ano que você comprou e pro conforto que você tenta proporcionar para a família todos os dias. O momento chave desse processo será quando você pai perguntar para seu filho o que ele gostaria de ganhar de presente e ele responderá: -Pai, eu queria que você brincasse comigo todo dia.

Depois da descoberta de que pro seu filho o seu dinheiro não importava, que o seu carro não era legal porque o legal era andar a pé na rua, que seu filho te ama porque você faz cócegas todos os dias e não porque você bateu a meta no trabalho, você para e descobre que tudo que o pai precisava era estar presente e não ganhar dinheiro para o futuro, pois o bem mais valioso que você poderia produzir em toda a sua vida estava ali, era seu filho e nem o melhor trabalho do mundo te proporcionaria mais satisfação e realização que o seu filho. O que seu filho sempre precisará você sempre poderá dar, mesmo nas maiores crises e nas piores fases da vida, ele só quer você e não o que você pode conquistar.

Essa história ocorre em milhares de famílias por aí e que bom que podemos fazer diferente dos nossos avós e pais, nós podemos escolher sermos pais e mergulharmos nesse mundo que não mede poder aquisitivo nem cargo na empresa, só precisamos decidir sermos pais de verdade, porque ser pai é ser responsável por outro ser, é ser mais do que você próprio, é ser algo agora que perpetuará por décadas mesmo quando você não mais estiver por aqui para observar. Descobri o verdadeiro sentido da vida quando decidi ser pai e quando entendi que: Lugar de pai é em casa.

Crie um desenho 3D!

Nesse post ensinaremos como fazer o seu primeiro desenho 3D de forma bem fácil.

Esse tipo de exercício ajuda as crianças a trabalharem o raciocínio lógico e a criatividade!

O resultado é fantástico e as crianças com certeza vão querer fazer aí.